Welcome to our Blog

 
 
Follow our Blog here! This are articles written by Dr. Ana Silva Guerra, in which she talks about her work and the area in which she specializes. These seek above all to help people, for those who want to know more about our work and because we are passionate about what we do!
 

Blog Dr. Ana Silva Guerra

Blog Dr. Ana Silva Guerra

Botox e Fillers

Os 7 grandes mitos



1- Os “fillers” são o mesmo que “botox”

Muitas pessoas confundem o ácido hialurónico ou outros “fillers” com o “botox”. São tratamentos completamente diferentes e com objetivos e resultados também distintos.  O preenchimento facial com ácido hialurónico permite melhorar depressões no rosto (grandes sulcos, rugas profundas), permite recuperar volume perdido e hidratar a pele.

É um dos melhores hidratantes que existem e quando devidamente aplicado, é um potente estimulador da nossa pele, minimizando as rugas finas e melhorando a luminosidade. A toxina botulínica, conhecida por “botox”, que é o nome de uma das suas formas de apresentação, atua como relaxante muscular, aliviando as rugas e prevenindo o seu aparecimento. Não vai acrescentar nenhum volume à zona tratada e pode usar-se para complementar os resultados dos preenchimentos faciais.

2 – Se eu fizer um “filler” toda a gente vai saber!

Falso. A ideia de que estes tratamentos vão causar deformações no rosto, vão provocar um grande inchaço e muitas nódoas negras deve ser abandonada. É possível, e além disso, é muito frequente, fazer tratamentos com ácido hialurónico sem deixar uma única marca!

Dependendo do objetivo, podemos trabalhar o rosto de diferentes formas: apenas hidratação, correcção suave de pequenos volumes ou redefinir formas e o contorno do rosto. Estes tratamentos devem ser realizados com tranquilidade, gradualmente e em pequenas quantidades, para não gerar nenhum tipo de desconforto na paciente.

3 – O tratamento de rosto com os “fillers” ou o “botox” é muito doloroso!

Erradíssimo. Todos estes tratamentos devem ser realizados depois de uma preparação prévia do rosto. Só assim, depois de aplicada anestesia tópica e com muita tranquilidade é que se deve iniciar o plano de tratamento. Normalmente esse receio desaparece com a primeira experiência.

4 – Não vou conseguir mexer o rosto depois de um tratamento

Falso. Os tratamentos faciais com ácido hialurónico não vão interferir com a mímica facial. Vai continuar a movimentar o rosto como sempre fez, a única diferença vai ser a melhoria das rugas, da pele e da luminosidade.

Mesmo o tratamento com a toxina botulínica, vulgarmente denominada “botox”, vai simplesmente aliviar a contracção muscular que está na base das rugas profundas da testa. Pode fazer toxina e manter sempre algum movimento desta zona. Depende da vontade de cada um.

5 – Uma vez começando estes tratamentos, vou ficar viciada e não conseguirei parar. Se para fico deformada.

Nada podia ser mais errado. Estes tratamentos existem para melhorar, reequilibrar o nosso rosto e dentro de 4 a 6 meses, quer o “botox” quer o ácido hialurónico aplicado deixam de existir onde foram colocados. Mas isso não quer dizer que o efeito vá desaparecer ou que o rosto vá ficar pior. Pelo contrário. O ácido hialurónico é um estimulador da pele. E a sua ação vai sentir-se ao longo do tempo.

Nunca voltamos ao ponto zero, ou seja, o benefício que aquela pele teve depois do tratamento efetuado não vai desaparecer (a pele está mais firme e mais elástica). Obviamente o volume gerado pela presença do ácido vai diminuir, mas não volta totalmente atrás. Quanto ao efeito do “botox”, o que se vai perceber é o retorno gradual das rugas. Com os tratamentos continuados, a frequência de aplicação vai diminuindo porque o músculo deixa de ser tão estimulado.

Se fizer uma aplicação de “botox” e não repetir não vai ficar pior do que o que estava, quando muito ficará igual.

6 – Não preciso de fazer estes tratamentos com um médico. Posso tratar-me num SPA ou noutro espaço de beleza.

Falso. Estes tratamentos devem ser realizados por médicos, qualificados e experientes. À semelhança de outro tipo de intervenções médicas, também estes procedimentos podem dar lugar a complicações e efeitos adversos. Quando realizadas por médicos qualificados, a percentagem de problemas é extremamente reduzida.

7 – Não é possível reverter o tratamento

Errado. O preenchimento com ácido hialurónico tem múltiplas vantagens, além de ser perfeitamente compatível com o nosso organismo pode ser eliminado, se assim for pretendido. Quando aplicado em pequenas quantidades e de forma gradual, ao longo do tempo, esta necessidade de eliminar o filler praticamente não existe. Mas saber que podemos fazê-lo é mais um motivo para que estes tratamentos sejam realizados com tranquilidade.

O preenchimento facial é uma opção não cirúrgica de eleição para interferir positivamente no processo do envelhecimento, quer seja numa fase inicial para prevenir os primeiros sinais, quer depois, para ajudar a amenizar as alterações já instaladas.

Curiosidades:
– Entre os homens, há cada vez mais adeptos destes tratamentos faciais! Já não é tabu um homem preocupar-se em manter a boa aparência à medida que os anos passam!
– Os “fillers” estimulam a produção de colagénio na pele logo, precisamos de menos tratamentos numa fase avançada do que no inicio, quando começamos.
– Além do rosto, também o decote e as mãos evidenciam os efeitos do envelhecimento, por isso, o tratamento destas regiões é possível com os fillers e com grandes resultados.
– A queda dos lóbulos das orelhas (onde pomos os brincos) pode ser melhorada com “fillers”.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Gostaria de se ver livre do “código de barras”?

Tratamentos de Estética


Saiba como se ver livre das linhas de expressão que envelhecem a zona da boca.

Neste artigo explicamos-lhe tudo o que precisa de saber sobre este tipo de “rugas de expressão” e o que fazer para minimizar o "problema".

7 Questões que vão ajudar a compreender melhor sobre este tipo de rugas e o tratamento com através de preenchimento:


1 - O que são as rugas “código de barras” e quando começam a surgir?

As rugas que se instalam ao redor dos lábios são conhecidas por código de barras e resultam dos movimentos repetidos por nós realizados sempre que comemos, falamos ou que expressamos emoções.

As rugas inicialmente (30 anos) são superficiais e impercetíveis, só aparecem quando a boca mexe, mas com o tempo, o fotoenvelhecimento, o tabaco, as rugas dinâmicas dão lugar às rugas estáticas, ou seja, já se vêm mesmo quando estamos em repouso.

2 - É possível eliminar estas rugas naturalmente?

Não, só mesmo recuperando a elasticidade da pele, e hidratando em profundidade a ruga com ácido hialurónico, ou seja preenchendo-a para que deixe de ser perceptivel.

3 - Como é que funciona o tratamento através do preenchimento?


O tratamento é simples: com anestesia local (um creme ou uma anestesia semelhante àquela que conhecemos do dentista) o ácido hialurónico é aplicado com suavidade, de forma a não deixar marcas ou nódoas negras.

4 - Este procedimento necessita de anestesia?

Normalmente sim.

5 - É um procedimento doloroso?

Com o apoio da anestesia o procedimento é perfeitamente indolor.

6 - Vou ficar com um ar “artificial”?

Este é um receio muito comum, uma vez que, quando não é realizado da forma correta este procedimento pode causar volume exagerado dado à periferia da boca um aspeto pouco natural. Quando é realizado com o ácido hialurónico especifico e com a técnica adequada, este efeito exagerado não acontece e a boca e a sua periferia mantém um ar natural, cuidado e rejuvenescido.

7 - Quanto tempo demora o procedimento?

O procedimento dura cerca de 15 minutos. No dia seguinte, pode haver algum inchaço, ainda que ligeiro mas passa até ao fim desse dia. Não interfere com a vida quotidiana da paciente.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Qual o impacto das máscaras na nossa pele?


Os problemas da pele desencadeados pelo uso intensivo de máscaras estão relacionados com o efeito oclusivo que a máscara tem na pele. Saiba como evitá-los. Os conselhos são da médica Ana Silva Guerra, especialista em Cirurgia Plástica, Reconstrutiva e Estética.

O uso constante de máscaras e luvas como medida preventiva nesta altura da ameaça pandémica da COVID-19 afeta a estabilidade da nossa barreira cutânea quer nas mãos quer no rosto.

Um estudo recente publicado no Jornal da Academia Americana de Dermatologia mostrou que 97% dos profissionais de saúde em Hubei, na China, desenvolveram problemas cutâneos em virtude do uso constante de material de proteção individual: pele seca, hipersensibilidade, agravamento do acne, comichão, descamação, vermelhidão e por vezes o surgimento de pequenas pápulas.  

Os problemas da pele desencadeados pelo uso intensivo de máscaras estão relacionados com o efeito oclusivo que a máscara tem na pele – os folículos pilosos ficam bloqueados, o simples contacto da máscara na pele pode causar irritação pelo tipo de materiais constituintes e, por fim, a humidade da respiração, a saliva, causam uma inflamação/ irritação em redor da boca que pode estender-se ao queixo e sulcos entre o nariz e o lábio.

O que podemos fazer?

Medidas simples, mas eficazes, podem minimizar estes sintomas e ajudar-nos a ultrapassar esta fase mais difícil.

1. Limpeza eficaz da pele - Manter a pele limpa e hidratada é essencial. Um creme hidratante barreira é por exemplo um que se usa no eritema da fralda: contém zinco, o que é excelente para a proteção da pele.

2. Não usar maquilhagem - Se vamos usar máscara o dia todo, não há motivo para colocar maquilhagem na região que vai estar tapada.

A maquilhagem pode causar irritação da pele e contribuir adicionalmente para a obstrução de poros. A região da face a descoberto pode ser adornada com maquilhagem.

3. Procurar aconselhamento médico - Perante uma dermatite perioral ou um agravamento do acne, o aconselhamento médico deve ser ponderado, para que uma terapêutica dirigida seja iniciada e adaptada a esta nova condição.

Artigo presente na Lifestyle, da SAPO.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

A Cirurgia Mamária não impede a Amamentação

Intervenções Cirúrgicas à Mama


Uma intervenção cirúrgica na mama, seja de cariz estético ou funcional, levanta frequentemente uma série de dúvidas e questões, sobretudo quando a mulher ainda pretende engravidar e realizar a amamentação.

Sendo uma das áreas anatómicas mais populares em termos cirúrgicos na atualidade, é importante esclarecer alguns “mitos” criados em torno da mamoplastia e do aleitamento.

Ocorrem alterações na sensibilidade mamilar que, embora não contribuindo favoravelmente, não se comprovaram impeditivas da amamentação.

A interferência na anatomia glandular da mama, que é comum às diversas intervenções cirúrgicas, deve ser minimizada com uma técnica atraumática e cuidadosa, que preserve a funcionalidade de glândula*.

Desta forma se compreende que, o esclarecimento e acompanhamento da paciente é fundamental, seja numa fase muito precoce (pré-operatório de uma mamoplastia) quando ainda não se pondera uma gravidez ou sequer o aleitamento, quer posteriormente, após a intervenção cirúrgica, quando a amamentação está a ser planeada ou a decorrer**.

De facto, a literatura demonstra que, a associação de um conjunto de fatores (dos quais se destacam: a falta de informação ou informação errónea e o desencorajamento da recém-mama)  a um contexto sociocultural próprio (em que esta mulher se insere), são aspetos determinantes no sucesso da amamentação em pacientes já submetidas a cirurgia mamária.

Por ultimo, é essencial enfatizar a necessidade de um esclarecimento abrangente nas mulheres que procuram um cirurgia e pretendem um dia amamentar.

Como referido, as duas situações não são mutuamente exclusivas, pelo que a mulher pode usufruir de ambas, sem ansiedade e com confiança.

Referências
Aesthet Surg J. 2008 Sep-Oct;28(5):534-7. The effect of breastfeeding on breast aesthetics.
Breastfeeding after reduction mammaplasty using different techniques
Blog Dr. Ana Silva Guerra

10 Curiosidades que deve saber antes de uma Mamoplastia de Aumento


1. O toque de uma mama com implantes é diferente do toque de uma mama natural.

A sensação ao toque numa mama sem implante é única e impossível de mimetizar. A presença de um implante introduziu, obviamente alterações, contudo, o resultado permite-nos andar muito próximo da sensação ao toque de uma mama natural.

É frequente associar-se a um maior grau de satisfação, pois a mama fica discretamente mais firme e tonificada.

2. O implante “anatómico” não é condição “sine qua non” para se alcançar o resultado mais natural na mama.

O formato final da mama operada é ditado pela mama antes da cirurgia, a forma como os tecidos se adaptam ao implante, as diferenças na distribuição de volume na mama é que vão ditar qual o implante, redondo ou “anatómico” (bidimensional) nos permite obter o resultado natural desejado.

Não podemos afirmar: “quero um implante anatómico, porque prefiro uma mama mais natural”.

3. A sensibilidade da aréola e do mamilo sofre alterações nem sempre reversíveis na sua totalidade.

A perda ou alteração de sensibilidade da aréola e mamilo podem acontecer sempre que há uma cirurgia mamária. Com o tempo é possível recuperar parte do que foi perdido ou alterado, porém, nem sempre a recuperação é plena.

Cerca de 15% das doentes ficam com alterações permanentes. Mesmo sem sensibilidade o mamilo reage à estimulação e ao frio!

4. A cirurgia mamária pode afetar a capacidade de amamentar no futuro.

Qualquer cirurgia na mama vai aumentar o risco de dificuldades na amamentação, porem não podemos dizer que a torna impossível de acontecer. Mesmo em mulheres que nunca foram operadas, as dificuldades na amamentação acontecem.

Uma mulher com historia de cirurgia mamária que pretende amamentar deve contar com o apoio próximo de uma equipa médica experiente para ajudar a solucionar os pequenos problemas que possam surgir.

5. O historial pessoal e familiar de cancro da mama tem de ser revisto antes de uma cirurgia mamária.

Sempre que há uma cirurgia mamária, o historial da doente deve ser analisado e exames complementares mamários devem ser feitos, caso os mais recentes tenham mais de 6 meses.

6. A mamoplastia de aumento não impede o diagnostico de cancro da mama.

Existem técnicas especiais para avaliar a mama com implante, em toda a sua extensão. Cumprindo a rotina da vigilância da mama, o risco de cancro da mama, numa mama com implantes, não esta aumentado.

7. A mamoplastia de aumento antes da primeira gravidez não deve ser exagerada, pois a mama ainda vai sofrer alterações importantes.

No decurso da gravidez e depois na amamentação, a mama aumenta muito de tamanho, o que pode causar alterações na pele (distensão, estrias) e na forma que são difíceis de resolver por si próprias.

Quanto maior o volume do implante, maior é o volume que a mama tem antes de passar por todo o processo gravidez/amamentação, logo maior o risco de alterações indesejadas que são difíceis de reverter sem cirurgia.

8. A mama não pode passar de “pequenina” a “gigante” de uma só vez!

É preciso deixar que a mama se adapte. Passar de uma copa A para uma copa D numa só cirurgia comporta um grande risco de complicações. Temos de ser realistas. Os tecidos têm que se adaptar ao novo volume, logo esta não pode ser drasticamente maior.

A melhor forma passa por aumentar a mama gradualmente, isto é, um primeiro aumento que já seja notório e depois, anos mais tarde e provavelmente depois de muitas alterações já terem acontecido na mama (gravidez, envelhecimento) substituir esse implante por outro de maiores dimensões.

9. A mamoplastia de aumento pode ser realizada com gordura da própria paciente.

Além do implante, em casos seleccionados, é possível usar a gordura da própria paciente para a mamoplastia de aumento. A gordura pode ser transferida da região da cintura, coxas, costas, enfim, das regiões onde abunda para a mama, onde fará mais falta. Parte desta gordura não sobreviverá, mas a que ficar, permanece ao longo do tempo.

10. O exercício físico, especialmente cardiovascular está restrito no período que se segue à cirurgia.

Depois de uma mamoplastia de aumento a paciente não fica totalmente incapacitada, mas não pode fazer exercício que envolva impacto e que agite ou abane as “ novas” maminhas. Dentro de um mês e meio a dois meses, a vida desportiva pode ser retomada na sua totalidade.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Harmonização Facial

O novo tratamento estético que faz a pele rejuvenescer


É a nova moda das cirurgias e dos tratamentos estéticos: modelar o rosto para o tornar mais harmonioso e, dessa forma, enaltecer a beleza dos traços naturais, mas também atrasar os sinais do envelhecimento.

As celebridades do mundo virtual foram as primeiras a promover esta nova tendência da estética, primeiro com a correção das próprias fotografias e selfies e, depois, através do bisturi ou intervenções à base de ácido hialurónico e toxina, que permitem adiar o recurso à cirurgia.

Nas mulheres, os resultados prometidos assemelham-se a autênticos milagres: maçãs salientes como na juventude, lábios proporcionais e com volume, mas de contornos naturais, sobrancelhas levantadas ou um queixo mais pronunciado.

São os traços da moda, na procura de rosto equilibrado e, sobretudo, mais jovem. No sexo masculino, as transformações estéticas têm, da mesma forma, cada vez mais adeptos: os homens querem realçar os traços do queixo e o maxilar, tornando o rosto mais atraente e, principalmente, viril.

E, claro, caso a harmonização facial seja opção, escolha um profissional certificado: lembre-se que a utilização de outro tipo de materiais de preenchimento podem desencadear infeções ou obrigar a cirurgias corretivas.

Apenas 15 minutos de tratamento
Maria João, de Lisboa, decidiu fazer um tratamento de olheiras e atenuação das rugas em torno dos lábios porque sentia-se com "um aspeto envelhecido e cansado".

O tratamento de harmonização facial não tem período de recuperação e, no caso de Maria João, demorou apenas 15 minutos.

Agora, Maria João sente-se rejuvenescida e pondera, no futuro, poder vir a fazer outras transformações que considerar necessárias, para manter o aspeto rejuvenescido, nomeadamente a aplicação de Toxina Botulínica ( o popular ‘botox"), de forma a atenuar as rugas vincadas da testa.

Ana Silva Guerra, cirurgiã plástica
"Vincos a surgir preocupa"
CM: No que respeita à harmonização facial, o que lhe pedem com mais frequência?
Ana Silva Guerra – O que preocupa desde cedo as pacientes é o aparecimento de vincos ou rugas entre o nariz e os lábios. E esta preocupação é transversal a todas as idades. À medida que a flacidez da pele se vai evidenciando, rugas, depressões vão surgindo no rosto.

– Mas não serve para mudar...
– O objetivo dos procedimentos não invasivos é melhorar a aparência, corrigindo sinais sem nunca transformar.

– A autoestima eleva-se?
– Sem duvida. Os sentimentos menos positivos são substituídos pela confiança e melhor relação com os que estão em redor.

Prevenir o envelhecimento pode ser o melhor remédio
Tal como as patologias, as mudanças estéticas associadas ao avanço da idade são altamente específicas para cada pessoa, começando em diferentes partes do corpo, em momentos diferentes e, com um ritmo e alterações também distintos nas células, tecidos e órgãos.

Sabe-se, no entanto que os fatores externos agridem violentamente o organismo e aceleram o processo de envelhecimento natural. Neste âmbito, os piores inimigos da juventude são a poluição atmosférica, o fumo, o álcool e a exposição exagerada às radiações solares ou sem proteção adequada.

Os estilos de vida, como o tipo de alimentação, a quantidade de horas de sono diárias, a ingestão de medicamentos a longo prazo, também são responsáveis por uma boa parte da fatura.

E como o envelhecimento não está apenas vinculado à estética mas, principalmente, à perda de funções, o melhor é começar a prevenir desde cedo, mudando alguns hábitos, para não ter depois de remediar. Fuja das dietas ricas em gordura saturada, do sal e do sedentarismo.

A mudança que cada vez mais desejam
A mamoplastia e a remoção de gordura localizada por lipoaspiração são atualmente os procedimentos cirúrgicos mais solicitados no universo da estética. Todavia, segundo os especialistas, regista-se igualmente um aumento da procura, sobretudo de pessoas com idades entre os 50 e 60 anos, para ações de rejuvenescimento facial e cervical (lifting) com recurso a técnicas cirúrgicas.

Conselho da semana
Pesquise sobre o material mais adequado ao seu caso.

Durante muito tempo, mais concretamente desde os anos 60, a gordura foi, por exemplo, muito utilizada na cirurgia plástica e continua a ser um excelente material de preenchimento.

Porém, este material acarreta limitações quando usado na face: irregularidades, desproporção (que não é fácil de antecipar?), assim como a oscilação de volume do local tratado.

Conselhos para o coração
Terminou uma década em que muito se valorizou a saúde de cada um (bem inalienável e único para cada ser humano). Deixar de fumar é a decisão que melhor pode servir este objetivo, pois este é o maior risco conhecido para a saúde, hoje.

Como proceder? Ganhe motivação para abandonar o fumo – leia, medite, passeie! Leve em conta os enormes riscos de continuar este hábito. Decida-se! Marque uma data para cessar - é fundamental. Depois, prepare bem as alternativas (positivas) ao tabaco. Faça por elevar a sua autoestima.

No trabalho ou no lazer faça pausas de recuperação … mas sem tabaco.

E não procure substitutos, evitando passar para tabaco aquecido ou eletrónico. Mas se o fizer, marque também uma data para cessação desses hábitos.

Agora, que se prepara para largar definitivamente o tabaco tente aproveitar os aspetos bons de viver – cante, declame, sorria, ame! Desenvolva esse lado positivo, alimente-se bem, perda excesso de peso, exercite-se. Vai ver que não custa nada.

Deixar de fumar é uma maravilha!

Primeiros socorros
Não negligencie as queimaduras causadas pelo frio. Saiba como reconhecer a gravidade da lesão e como proceder quando não tem auxílio médico por perto.

Pele firme, branca e com formigueiro
As queimaduras pelo frio são lesões causadas pela formação de gelo na pele e vasos sanguíneos que provocam perda de sensibilidade e alteração da cor nas zonas afetadas. Estas queimaduras atingem mais frequentemente o nariz, orelhas, bochechas, queixo, dedos das mãos e dos pés e resultam da exposição ao frio intenso por períodos mais ou menos prolongados.

As crianças e os idosos são os grupos mais vulneráveis. Como reconhecer queimaduras pelo frio? Ao primeiro sinal de vermelhidão ou dor em qualquer zona da pele, saia do frio e proteja a pele exposta. Qualquer dos seguintes sinais poderá indicar queimaduras: área da pele branca ou acinzentada; pele invulgarmente firme ou cerosa; formigueiro.

Procure o calor e coloque água morna
Se detetar sinais de queimaduras procure ajuda médica.

Se existirem queimaduras sem sinais de hipotermia e não existir auxílio médico imediato, proceda da seguinte forma: vá para uma divisão aquecida logo que possível; submerja a área afetada em água morna não quente (a temperatura deverá ser confortável ao toque nas áreas do corpo não afetadas), ou aqueça a área afetada com calor corporal; não massaje a área queimada, pois pode causar mais danos; não use compressas aquecedoras, ou fontes de calor para aquecer, uma vez que as áreas afetadas estão dormentes e poderão queimar facilmente.

Estes procedimentos não substituem os cuidados médicos - as queimaduras devem ser avaliadas.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Rinoplastia: há diferenças entre homem e mulher


Frequentemente encarado como um procedimento puramente estético, a rinoplastia é muito mais que isso. Pode constituir um tratamento de reparação/reconstrução da anatomia nasal depois de um acidente/traumatismo, pode ser parte da reparação de uma fenda lábio palatina, pode ter um objetivo funcional apenas ou, como acontece na maioria dos casos, pode ter um objetivo misto – aliar a boa aparência a uma boa função respiratória.

É importante esclarecer e reforçar que a rinoplastia deve preservar os traços nasais que são importantes para o/a paciente. Mudar por completo, radicalmente, a forma e tamanho do nariz não é para muitos um objetivo. O nariz esta no centro do rosto e como tal é uma das regiões anatómicas que mais nos distingue e define, relativamente aos outros.

Ano após ano, a rinoplastia é dos procedimentos mais realizados em todo o mundo. As queixas mais comuns do homem prendem-se com as assimetrias ou uma bossa nasal mais proeminente. A mulher refere preocupações relacionadas com a masculinidade das características nasais, o facto de o nariz ser largo ou muito grande e desproporcionado face ao rosto.

Algumas características nasais são obrigatoriamente diferentes entre os sexos (forma do dorso, a posição da ponta nasal, qualidade e espessura da pele) porém, as etapas cirúrgicas acabam por ser semelhantes. O “ideal” de um nariz também difere entre homens e mulheres. Tendencialmente as mulheres têm um nariz mais fino, ligeiramente arrebitado, não muito comprido e pouco largo. Os homens têm um nariz mais proeminente, com o dorso reto, mais longo e nada arrebitado.

Acima de tudo, e não podendo deixar de se referir o mais importante, o nariz tem de ser funcional. Uma boa função respiratória tem de estar sempre aliada ao resultado final, caso contrário, por muito bonito que esteja, não vamos conseguir um paciente satisfeito.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Harmonização Facial

Tratamentos de Estética à Face


Atenuar os sinais de envelhecimento é uma preocupação, mas hoje vamos mais além. Atrasar o envelhecimento modelando-o para que seja mais harmonioso. A moda surgiu com as celebridades que promovem a imagem com as selfies. Harmonização facial sem alterar e ao mesmo tempo não envelhecer. Maças salientes, projetadas como na juventude, lábios com volume mas naturais e o queixo mais saliente... são os principais traços de um rosto equilibrado.

Obviamente que a genética, como pano de fundo, é quem determina o quadro que vamos pintar, mas aos poucos e poucos, o bisturi foi ficando para depois e quem vence é a dupla do ácido hialurónico e toxina. Permitem adiar uma intervenção mais agressiva, com resultados naturais.

Levantar as sobrancelhas com toxina e um toque subtil de volume é um sucesso. A modelação do perfil nasal é outra grande vantagem e ao contrário do que muitos pensam, é duradoura. As maças do rosto bem modeladas retiram-nos anos de cima e os “bigodes” bem preenchidos permitem um sorriso natural e um rosto muito agradável.

Os lábios são desproporcionais em 99% da população feminina. Só cerca de 1% tem lábios de igual volume. Há quem queira contrariar a mãe natureza e torná-los agora simétricos, há quem pretenda preservar o que tem com mais volume mas a mesma proporção. Uma vez mais o que nos deve importar é o equilibro, a harmonia e a elegância. Um rosto trabalhado que o demonstre não é tão atraente.

A questão hoje em dia não é se o devemos fazer, hoje em dia a mulher pensa: quando devo começar.

Depois há que zelar para que não se sucumba ao exagero. Os volumes não são todos idênticos para todas a mulheres, variam conforme as necessidades.

Atualmente o ácido hialurónico existe numa ampla variedade de densidades, o que permite esculpir um rosto de forma suave, quase impercetível onde assim a anatomia exige e ao contrário, permite a projeção de outras regiões, como os malares.

A gordura, utilizada na cirurgia plástica desde os anos 60 continua a ser um excelente material de preenchimento, porém tem algumas limitações na face: irregularidades por vezes percetíveis na pele, desproporção que não é fácil de prever e o aumento ou a diminuição de volume que acontecem inevitavelmente com as oscilações ponderais da paciente e nem sempre são bem-vindas na face.

Outros materiais de preenchimento já se usaram, um deles, o metacrilato (um derivado do petróleo produzido no Brasil) é permanente, é definitivo. E assim se quebrou uma regra básica dos tratamentos faciais com materiais de preenchimento – nada pode ser permanente. Os problemas surgiram, desde infeções, rejeições, múltiplas cirurgias corretivas até infeções disseminadas com atingimento sistémico.

Por ultimo falta dizer que, a harmonização facial com ácido hialurónico além de ser segura quando realizada por profissionais qualificados e experientes, desperta um grande interesse no sexo masculino que também pretende realçar os traços do queixo e maxilar, tornando o rosto mais atraente e harmonioso.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Olheiras – O que são, causas e tratamentos


O que são olheiras?
São áreas de pigmentação mais escura na região periorbitária. Afetam mais frequentemente as mulheres e  envolvem de um modo geral, os dois olhos. São, em regra mais alargadas na pálpebra inferior, podendo, nos casos mais graves abrange ambas as pálpebras até ao rebordo orbitário onde se localizam as sobrancelhas, e à região malar e temporal onde se encontram as maçãs do rosto e o limite lateral da face.

A idade de aparecimento ronda os 16-25 anos. Há uma tendência familiar reconhecida e em certos grupos étnicos este problema é mais acentuado.

Quais as causas das olheiras?
Ainda não está bem compreendida a causa das olheiras. Excesso de pigmento cutâneo ou fragilidade vascular dos pequenos vasos da região palpebral são as principais hipóteses etiológicas. Existem, contudo, múltiplos os factores que parecem contribuir para o aparecimento desta alteração, que não sendo considerada patológica é, com certeza inestética e causadora de grande perturbação para muitas pacientes.

A genética (há uma clara tendência familiar), os problemas alérgicos (que desencadeiam uma hiperpigmentação inflamatória reativa), a anemia, o stress, a vida agitada e má higiene do sono, a flacidez e fragilidade cutâneas decorrentes do envelhecimentos são os principais factores contribuintes.

Recentemente, foi observado que nas pacientes com falta de visão e que não usam meios de correção (óculos ou lentes de contacto) este problema pode ser mais acentuado, graças ao esforço acrescido dos músculos da região periorbitária.

Tratamentos para as olheiras?
Diversos tratamentos foram propostos, com maior ou menor sucesso. O tratamento deve ser individualizado para cada paciente, uma vez que é frequente a combinação de opções terapêuticas.

Merecem especial destaque, o tratamento não cirúrgico com ácido hialurónico e o tratamento mais invasivo, cirúrgico, que corresponde ao autoenxerto de gordura sob a forma de micro e/ou nanoenxerto. Desde que corretamente aplicados estes tratamentos conferem uma melhoria da qualidade da pele localmente, fortalecendo-a e melhorando a hiperpigmentação.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Mamilos Invertidos

Intervenções Cirúrgicas à Mama


Mamilos invertidos… há solução?

Quando todo o mamilo ou parte dele está escondido na no centro da areola, estamos perante os mamilos invertidos. Ao contrário do que pensamos é uma situação relativamente comum, afetando entre 2 a 10% das mulheres.

A razão do problema pode estar relacionada com o facto de os canais que excretam o leite serem demasiado curtos e por isso tracionam o mamilo para baixo, com a presença de bandas fibrosas que prendem o mamilo ou com a falta de tecido de sustentação debaixo dele, deixando-o sem suporte e assim, deprimido. Mamilos invertidos estão na origem de vários problemas (inflamação, irritação da pele, incapacidade de amamentar) e interfere com a autoestima da mulher, podendo ser uma fonte de stress psicológico.

Por todos estes motivos, importa saber que há solução! É recomendada a correção para que a qualidade de vida destas mulheres melhore. Através de uma pequena cirurgia, que se pode realizar com anestesia local, o mamilo é exteriorizado e fixo nessa posição. Também é possível fazer a correção dos mamilos invertidos juntamente com outro procedimento cirúrgico da mama (aumento, redução).



Blog Dr. Ana Silva Guerra

O que fazer para o Verão – Ácido Hialurónico

Boost de vitaminas e ácido hialurónico para a pele


Vem aí o calor e precisamos de uma pele bem preparada. A hidratação profunda com um complexo multivitamínico é a solução. São 12 vitaminas, entre elas A, B, C e E, 23 aminoácidos, ácido ascórbico, coenzimas e micronutrientes além do ácido hialurónico, um dos melhores amigos da nossa pele. Tudo num só tratamento e de uma só vez. O que pretendemos é reverter os efeitos do stress, da poluição e do cansaço. Pele mais luminosa, hidratada e mais nutrida. Sem marcas, sem nódoas negras.

Eliminar as rugas antes que o bronze se instale

Haverá coisa mais desagradável que as listas brancas que surgem na testa bronzeada? Estamos sempre a franzir a testa e por isso a pele não se bronzeia. A solução é simples e passa pelo relaxamento dos músculos antes da praia chegar! Um aspecto descansado e sem rugas é a chave de sucesso para que o verão comece bem!

Lábios hidratados e definidos

Lábios bonitos, sensuais, suaves e harmoniosos! É possível ter o sorriso que deseja, em segurança e com naturalidade. Nem sempre falamos de um aumento, por vezes, basta redefinir o contorno do lábio para que o resultado seja surpreendente. O ácido hialurónico é um constituinte natural do nosso organismo e um importante captador de água. O tratamento do lábio com este filler vai permitir essa hidratação, contribuindo para um aspecto saudável.

As mãos e o pescoço são os denunciadores da idade!

Não podemos esquecer mãos e pescoço na preparação do verão. Hidratação com ácido hialurónico e um boost de vitaminas são a chave. A toxina é aplicada na pregas musculares para relaxar o músculo, o platisma!
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Diminuir os Seios

Tratamento com cada vez mais procura


Quem diria que a vontade de diminuir os seios já provoca uma “corrida” aos consultórios médicos?


A verdade é que o tempo das “mamas grandes” já foi. Hoje a mulher procura um volume menos exagerado, que esteja em harmonia com o corpo. E não é apenas por uma questão estética. Com ou sem implantes, as mamas de grande volume estão associadas a muita tensão na coluna, peso e marcas profundas nos ombros causadas pelo sutiã. Com o tempo, além da má postura, a coluna pode sofrer com o peso excessivo e ficar desviada.

Fazer exercício físico também se pode tornar complicado, sobretudo exercícios de impacto, que se tornam desconfortáveis com a oscilação do peito.

Reduzir a mama vai fazer toda a diferença nestes casos, uma mudança radical no estilo de vida e na auto-imagem. A mama fica com um tamanho menor mas igualmente bonita e com um perfil harmonioso.

As cicatrizes são uma preocupação, mas não devem ser. Para reduzir o volume e aliviar o peso, é necessário remover tecido mamário e pele. As cicatrizes são trabalhadas cuidadosamente durante e após a cirurgia.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

O que precisa de saber sobre o Peeling

Tratamentos de Estética ao Rosto


Após o último artigo do nosso blog sobre peeling, foram-nos colocadas muitas questões nas redes sociais sobre este tratamento. Decidimos então escrever este artigo a responder aos principais pontos que precisa de saber sobre o peeling.

E eu? Posso fazer um peeling?
Há critérios específicos que devem ser respeitados e que permitem adequar o peeling certo ao fototipo da paciente e das características especificas da sua pele. Se no passado era verdade que este tipo de tratamento químico era desaconselhado em determinados contextos clínicos (fotótipos muito elevados), hoje, felizmente, já não é assim. Existem formulações químicas adequadas a todos os fotótipos cutâneos. Portanto a resposta é sim. Depois de devidamente avaliada, haverá certamente um peeling adequado à sua pele.

O que poderei melhorar ou até tratar na minha pele, com a realização de um peeling?
Os sinais de fotoenvelhecimento facial (exposição solar, solário) tais como rugas finas e manchas pigmentadas. As cicatrizes de acne. A oleosidade da pele: pode melhorar a formação de pontos negros e ajudar na diminuição do tamanho dos poros. O tratamento químico da pele pode também ser um excelente aliado quando o objetivo é simplesmente manter a pele saudável e livre de manchas.

Pode ser feito no consultório?
Na grande maioria das situações é um procedimento ambulatório, sem necessidade de hospitalização nem internamento.

Só pode ser feito no Inverno?
Há uma grande variedade de peelings, por isso, e com base numa seleção criteriosa do tipo de substância(s) química(s), é possível realizar-se um peeling em qualquer época do ano, contudo os meses menos soalheiros são mais convidativos a este tipo de procedimento, porque a exposição solar esta totalmente contra-indicada depois da realização de um peeling (nas 2 a 3 semanas seguintes, este cuidado deve ser rigoroso).

Só pode ser realizado na face?
Além da face, outras partes do corpo podem beneficiar do tratamento químico da pele, designadamente as mãos e o decote. O tratamento químico da pele - o peeling - é um dos tratamentos mais populares no cuidado da pele e na prevenção da sua jovialidade!
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Afinal, o que é um Peeling?

O Peeling Químico



O peeling químico é um procedimento não cirúrgico, que consiste na aplicação de uma ou mais substâncias químicas sobre a pele. O objetivo é a melhoria da qualidade da pele ao eliminar a camada superficial lesada pelo sol, manchada e com pequenas rugas. Ao provocar uma lesão controlada de epiderme/derme, o peeling promove uma aceleração da renovação celular. A exfoliação da pele é imediata e pode ser mais ou menos agressiva e, por conseguinte, mais ou menos profunda.

O efeito tardio do peeling, está relacionado com a regeneração da pele, formação de novo colagénio. Quando cicatriza, a “nova” pele é mais lisa, hidratada, com uma textura mais uniforme, e o poro mais fechado. A manchas e as rugas finas são eliminadas ou pelo menos minimizadas (no caso de uma pele muito danificada).

A eficácia do peeling depende de muitos fatores como a pele a tratar e as suas características (fototipo, espessura, hipersensibilidade e a gravidade da lesão cutânea), a substância a ser utilizada e as suas características, bem como o modo de aplicação.

Dependendo da profundidade de ação do agente químico utilizado, o peeling pode ser superficial, médio ou profundo. Quanto maior a profundidade de ação, maior a estimulação e reparação da pele em cada sessão, contudo, mais alta é a probabilidade de complicações.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Técnicas de Antivelhecimento Não Invasivas

Estética Não Invasiva


Conceitos e novidade em estética não invasiva
Os avanços tecnológicos, a crescente diversidade de estética não invasiva e a facilidade no acesso à informação e a profissionais qualificados justificam a procura crescente  por estas intervenções. O que antes era só resolvido com cirurgia, encontra hoje alternativas menos invasivas, que embora não substituam totalmente a cirurgia, promovem resultados que permitem adiá-la.
A possibilidade de conciliar esses tratamentos com a vida quotidiana, principalmente sem repercussões na atividade laboral é um dos principais pontos a favor. Outra vantagem ímpar é que, estes procedimentos não envolvem os mesmos riscos de uma cirurgia. Contudo, é importante relembrar: não há milagres! E por isso, a cirurgia convencional tem sempre o seu lugar – existe um momento em que é a única solução para quem procura um resultado natural e duradouro, inatingível, nessa fase pela estética não invasiva.

Quais os mais populares? Quais os mais melhores?


Toxina Botulínica
Não é uma novidade mas continua pioneira, sendo uma estética não invasiva muito popular em todo o mundo! E é eficaz! Trata-se de uma substância que, ao ser injetada na pele tem a capacidade de relaxar os músculos faciais, preservando a mimica facial, mas evitando forças exageradas que estão na origem das rugas, protegendo a pele do aparecimento de novas rugas e sulcos.

Botox (toxina botulínica) ou Blefaroplastia?
A blefaroplastia é uma cirurgia feita na pálpebra para remover o excesso de pele e gordura acumulada em bolsas em torno dos olhos e deste modo contribui para “aliviar” o peso na palpebra, “levantando” a região!
Numa fase inicial a toxina botulínica é indicada como a “correspondente” menos invasiva: ao impedir a contração muscular, a pálpebra “eleva-se” e as rugas são atenuadas. Os resultados duram até seis meses e o tratamento pode ser repetido a cada cinco ou seis meses.

“Lift” facial ou preenchimento?
Um lift facial (tecnicamente designado por ritidectomia) é a abordagem mais abrangente e profunda no tratamento do envelhecimento facial. Obviamente que o “Facelift” não faz “parar o relógio do tempo”, mas pode interrompê-lo durante um período, melhorando os sinais mais visíveis do envelhecimento, removendo o excesso de gordura e de pele e, restituindo a firmeza aos músculos da face e pescoço.

O preenchimento facial com ácido hialurónico, pode, nas fases mais precoces do envelhecimento facial, combater os primeiros sinais (melhoria da qualidade da pele e reposição da perda de volume) e assim “adiar” a cirurgia. O ácido hialurónico é um gel sintético, biologicamente compatível com o nosso organismo, muito seguro, capaz de maravilhas se corretamente aplicado, nas diferentes áreas do rosto.
Atualmente existem diferentes formulações de ácido hialurónico (maior ou menor viscosidade) que permitem corrigir rugas finas ou profundas e promover um efeito “lift”, com resultados imediatos, instantâneos e sem os riscos associados ao “lift” facial cirúrgico. A aplicação é praticamente indolor e pode realizar-se com agulha ou, mais recentemente com cânula. A vantagem da ultima é a diminuição das nódoas negras e do numero de punções necessárias para produzir o mesmo efeito, sendo menos desconfortável. A durabilidade do efeito varia de largos meses a anos.

Radiofrequência vale a pena?
A radiofrequência não requer agulhas! Por ser indolor, é o tratamento indicado para as pessoas que tem medo de agulhas e cortes e que não desejam qualquer tipo de cicatriz. É uma tecnologia que estimula, através da emissão de ondas eletromagnéticas, a produção de neocolagénio tornando a pele mais firme e bonita.

Também pode ajudar a atrasar o “lift” facial cirúrgico? Claro! A radiofrequência está indicada no tratamento da flacidez facial. Além de combater as rugas mais finas, produz melhorias na flacidez facial com eficácia de 70 a 80% aos 6 meses! Não há riscos cirúrgicos, não há período de recuperação e por isso, não há interrupção da vida laboral e social.

O efeito é cumulativo. O tratamento ocorre em várias sessões e tem uma longevidade de anos. A recuperação é simples e não exige cuidados especiais, além da hidratação e proteção solar da pele tratada.

Sendo os efeitos produzidos pela radiofrequência mais discretos, quando comparada com a Toxina botulínica/preenchimentos e/ou Cirurgia, outra grande vantagem é que pode ser combinada com estes tratamentos faciais, nomeadamente com os preenchimentos!

As substâncias químicas e a microdermoabrasão: uma associação bombástica!
Os ativos químicos como a vitamina C, o ácido Kójico, a Hidroquinona  ou exfoliantes químicos (conhecidos como peelings químicos) atuam nas camadas superficial e média da pele, melhorando a sua aparência e a sua textura.  Contribuem para minimizar ou eliminar manchas e cicatrizes (designadamente as cicatrizes de acne).  Associando a microdermoabrasão o resultado é potenciado!

A microdermoabrasão é uma técnica que consiste em fazer micropunções na área a tratar com microagulhas. A penetração das substâncias químicas fica facilitada e a reposta do organismo é mais célere e mais eficaz. Manchas, pequenas rugas (sobretudo as que se instalam em torno dos lábios) podem ser tratadas e prevenidas com esta associação ímpar!

As cicatrizes de acne podem ser melhoradas drasticamente com esta técnica combinada!
E para quem já desespera, não podermos deixar de referir o beneficio sobre a pele estriada: as estrias, mesmo as mais pálidas e envelhecidas, melhoram muito com a dupla ação mecânica e química!

O procedimento é ligeiramente desconfortável quando se trabalham zonas em que a pele é mais fina, mas em geral é completamente indolor. Os orifícios criados encerram espontaneamente em poucas horas, por isso não há interferência na atividade do dia-a-dia. São necessárias algumas sessões, dependendo dos objetivos e da resposta ao tratamento.

Breve Nota : As cirurgias mais populares da atualidade e as que ganharam destaque nos últimos tempos.


A gluteoplastia e a labioplastia, que eram procedimentos menos procurados, menos “populares”, atingiram lugares de destaque, registando o mais significativo aumento no “ranking” das cirurgias estéticas. A gluteoplastia a liderar, registando um incremento de 58% e a Labioplastia com 44% de aumento, comparativamente a anos anteriores (2012).

Desde 1997, o  numero de procedimentos cosméticos realizados por mulheres em todo o mundo aumentou mais de 500%. As cinco intervenções cirúrgicas mais procuradas são o aumento mamário, a lipoaspiração, a abdominoplastia, o “lift” da mama e a cirurgia de rejuvenescimento das pálpebras.

O sexo masculino também acompanhou a tendência e o crescimento na procura de procedimentos cosméticos foi superior a 300% desde 1997. Os cinco principais são: a lipoaspiração, a cirurgia palpebral, a rinoplastia, a redução/ correção mamária e a otoplastia (correção das “orelhas de abano”)
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Aumento Mamário Híbrido

O Melhor de dois Mundos


A mamoplastia de aumento, ou cirurgia de aumento mamário, aumenta ou recupera o tamanho da mama, recorrendo ao implante (gel de silicone), ou nalguns casos, à transferência de gordura da paciente (ver mamoplastia de aumento com auto-enxerto de gordura), de outro local para a mama. Atualmente é uma das técnicas de cirurgia plástica mais procuradas pelas mulheres por variadas razões:


Se pensarmos no aumento mamário estético, a tendência é preservar a integridade da estrutura muscular da mulher, isto é, interferir o menos possível com o musculo peitoral. Se é impossível preservar o peitoral nas mulheres de baixo peso, muitas há que têm um tórax mais plano, sem volume mamário significativo, mas com gordura suficiente para, depois de transferida, poder proteger completamente os limites do implante, camuflando a sua presença. E sabe mesmo bem remover aquela gordurinha em excesso... É um dois em um muito aliciante. A consistência da nova mama também beneficia muito com esta abordagem. O implante fica protegido com uma camada de gordura uniforme a toda a sua volta.


No caso da mama tuberosa, que é outra situação muito incomoda para a mulher que tem este tipo de mama, a gordura é essencial. O implante é frequentemente necessário, para projetar e compensar a falta de volume mamário, mas só a gordura consegue conferir à pele a elasticidade necessária para que o implante seja bem “aceite” e a simetria seja mais fácil de conseguir.
A reconstrução mamária, quer no contexto oncológico quer no âmbito das malformações congénitas ou queimados, é outro exemplo dramática do quanto a cirurgia híbrida de aumento mamário é poderosa.


No contexto oncológico, é graças à transferência da gordura que podemos reconstruir a mama com implantes, sem interferir com os músculos peitorais, algo impensável há 10 anos atrás. Para a mulher, os benefícios são muitos: melhor pós-operatório, com menos dor e mais célere, resultados mais naturais com perfil mamário mais equilibrado e estável no tempo. A gordura localizada que se acumula é eliminada e transferida. É um redescobrir o corpo, a mama, a própria identidade depois de um processo tão penoso.

Na síndrome de Poland, uma síndrome ainda pouco divulgada, em que a mulher tem um dos lados do tórax hipoplásico, menos desenvolvido e onde está incluída a mama, esta intervenção é sempre híbrida, para que a simetria seja possível.


Até na recuperação de queimaduras da mama, modalidade combinada de implante e gordura já suplantou a cirurgia típica, só com expansores e implantes mamários.

Blog Dr. Ana Silva Guerra

Lipoaspiração e Lipoescultura por enxerto de gordura

Intervenções Cirúrgicas ao Corpo


A lipoaspiração é um procedimento que permite esculpir o corpo removendo a gordura indesejada localizada em áreas específicas: abdómen, flancos, coxas, joelhos, braços, queixo, entre outras localizações. Pela técnica da vibrolipoaspiração, é possível eliminar esse excesso localizado de gordura, resistente à dieta e ao exercício físico. Esta é a intervenção mais popular em todo o mundo e frequentemente é combinada com outros procedimentos cirúrgicos no âmbito da cirurgia plástica. Durante as últimas duas décadas, a lipoaspiração beneficiou de importantes progressos e refinamentos, existindo atualmente técnicas e instrumentos variados (lipoaspiração associada a ultrassons, infiltração tumescente) que permitem ao cirurgião alcançar resultados mais precisos e com tempos de recuperação menores.

Recentemente, a lipoaspiração de alta definição, permite o contorno abdominal e em simultâneo criar a ilusão de uma parede abdominal trabalhada, musculada e atraente.

A transferência de gordura, ou o autoenxerto de gordura permite a transferência de gordura que é aspirada numa localização onde é mais abundante, sendo posteriormente transferida para outras regiões anatómicas que carecem de maior volume. As principais regiões alvo são a face, as mãos, a mama e as nádegas. Este é um procedimento em franca expansão, cada vez mais procurado e com excelentes resultados.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Abdominoplastia

Procedimento que permite reduzir a protusão do abdómen


A Abdominoplastia, consiste na remodelação do contorno abdominal, tornando o abdómen mais plano, através da remoção do excesso de pele e gordura juntamente com o fortalecimento da parede muscular, que frequentemente se encontra flácida ou laxa e com os músculos afastados.

Este procedimento permite reduzir dramaticamente a protusão do abdómen, para além de eliminar as estrias da sua parte mais inferior.

É importante, contudo, ter sempre em mente que a abdominoplastia produz uma cicatriz permanente no local onde habitualmente se localiza a cicatriz da cesariana, ou seja imediatamente acima da região púbica e que, dependendo do problema de base da(o) paciente se pode estender de uma anca à outra.

É comum associar-se a este procedimento a lipoaspiração, para melhorar a definição da cintura, sobretudo na região dos flancos, no entanto, explicaremos noutro artigo de blog, qual a diferença entre estes dois procedimentos.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Mamoplastia de Aumento

Intervenções Cirúrgicas à Mama


A mamoplastia de aumento, ou cirurgia de aumento mamário, aumenta ou recupera o tamanho da mama, recorrendo ao implante (gel de silicone), ou nalguns casos, à transferência de gordura da paciente (ver mamoplastia de aumento com auto-enxerto de gordura), de outro local para a mama. Atualmente é uma das técnicas de cirurgia plástica mais procuradas pelas mulheres por variadas razões:

-  Melhorar o contorno corporal, quando a mulher sente que o tamanho do seu peito é pequeno ou insuficiente;

-  Restaurar o volume mamário após uma perda significativa de peso ou na sequência de uma gravidez;

-  Alcançar a simetria mamária, quando se verifica uma desproporção nas características da mama (tamanho e forma);

-  Melhorar a forma da mama que está pendente ou perdeu firmeza. Nestes casos, associa-se um procedimento de “Lift” ou levantamento da mama (mastopexia);

-  Melhorar o contorno da mama quando este fica alterado na sequência do tratamento cirúrgico por cancro da mama;

-  Melhorar a aparência da mama quando esta se apresenta desfigurada no contexto de um traumatismo (queimadura, acidente), causas hereditárias ou anomalias congénitas.

MAMOPLASTIA DE AUMENTO COM AUTO-ENXERTO DE GORDURA
Em casos seleccionados, é possível aumentar modestamente o volume mamário unicamente com a própria gordura da paciente. Nesta técnica, a gordura é aspirada tal como na lipoaspiração e, depois é processada e reaplicada na paciente, na região mamária. Mesmo como um procedimento de refinamento, para melhorar o aspecto estético final da mama depois de submetida a outra intervenção (mamoplastia de aumento, mastopexia ou até mesmo redução) o auto-enxerto de gordura na mama é uma técnica muito útil e com resultados muito satisfatórios.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Cirurgia Reconstrutiva Pós Bariátrica


A cirurgia reconstrutiva que se dedica ao contorno dos doentes (ex: obesos), submetidos a cirurgia pós bariátrica não se rege segundo os mesmos princípios que a clássica cirurgia estética de contorno corporal.

Apesar da perda de peso significativa (20kg, 30 kg ou mais) muitos destes doentes ainda permanecem nos patamares da obesidade e deste percurso resultam comorbilidades que não podem ser ignoradas ou esquecidas e que, muito influenciam o curso normal do tratamento.


É certo que a qualidade de vida e estes problemas médicos melhoram significativamente depois da perda pronunciada de peso, mas também é certo que novos problemas, designadamente de índole psicológica e auto estima se iniciam. Estes novos problemas decorrem do excesso de tecido que sobra depois do “conteúdo” ter desaparecido. E as alterações na morfologia corporal são dramáticas.


O excesso de pele está na origem de vários problemas: ulcerações e infeções nas pregas, odor desagradável devido à humidade que acaba por estar sempre presente, limitações no exercício físico (não pelo excesso de volume, mas pela incapacidade de conter “as peles” dentro da indumentária), implicações profundas na intimidade e grande dificuldade na escolha do vestuário. Outro aspeto menos abordado mas que é crucial para estes doentes é a idade aparente não ser coincidente com a real. Estes doentes apresentam um ar mais envelhecido, com queda da pele da face, sobretudo nas pálpebras,  “bochechas” e pescoço.


O excesso de pele torna-se assim uma nova forma de estigmatização, isolamento social e redução da qualidade de vida destes doentes.


A abordagem deste tipo de doentes é muito diferente daquela que é empregue num candidato a cirurgia estética. É preciso reconhecer que estes doentes têm muito mais patologia associada que um doente que nunca foi um “ex-obeso” com antecedentes de procedimentos cirúrgicos bariátricos restritivos. As carências nutricionais são outras, a capacidade de resposta ao stress cirúrgico é diferente e a resposta cicatricial é muitas vezes mais lenta. O tabaco está proibidíssimo, pois se num doente “normal” já é prejudicial, nestes doentes, o tabagismo pode arruinar um resultado cirúrgico.


Os procedimentos são os habituais da cirurgia reconstrutiva plástica (contorno abdominal, reconstrução mamária, contorno dos membros), mas adaptados a cada caso em particular. Os resultados são, em regra, muito bons tendo em conta o ponto de partida, sendo espantoso o impacto na qualidade de vida destes doentes.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Mama Tuberosa

Mama Tuberosa ou “Snoopy Breast”



A mama tuberosa, é uma anomalia congénita rara que se manifesta durante o desenvolvimento mamário na adolescência.

As alterações típicas são:


  • - base de implantação da mama de menores dimensões;

  • - tecido mamário hipoplásico ou deficiente e o que existe, localiza-se maioritariamente por detrás da areola e mamilo alargando estas estruturas;

  • sulco inframamário elevado e o polo inferior da mama, que geralmente é arredondado e cheio está deficitário nas suas dimensões horizontais e verticais.
A causa desta anomalia é desconhecida mas pensa-se que terá origem numa espécie de “colar” ou anel, que provoca a constrição da mama e afeta o seu desenvolvimento.
Esta “falta” de tecido na mama, resulta numa aparência estranha a relembrar uma “batata” – em inglês, “potato-like” breast – e designa-se MAMA TUBEROSA.

Na adolescência esta anomalia torna-se evidente e pode conduzir a desequilíbrio psicológico.

As técnicas empregues para a correção destas alterações são diversas, contudo, todas visam:


  • - restaurar as dimensões da base de implantação da mama;

  • - corrigir a hipoplasia dos quadrantes inferiores da mama;

  • - libertar o sulco inframamário e colocá-lo em posição normal;

  • diminuir as dimensões da areola mamária e melhorar a simetria mamária o mais possível.
A fase da vida em que estas correções se realizam é crucial, pois, numa idade muito jovem, quando a mama ainda não está desenvolvida, podem causar prejuízos no seu futuro desenvolvimento.

Faça a sua marcação de consulta aqui.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Maleficios do Tabaco na Cirurgia Plástica


Cerca de 5.5 triliões de cigarros são produzidos e consumidos todos os dias, o que equivale a 1000 cigarros por cada pessoa no planeta. Neste artigo vamos abordar os Malefícios do Tabaco na Cirurgia Plástica. O fumo do cigarro contem cerca de 4000 químicos identificados, sendo que destes, 250 são prejudiciais à saúde.

A nicotina tem um efeito nefasto sobre o processo cicatricial, uma vez que é um potente vasoconstritor e condiciona um desequilíbrio da coagulação a favor de fenómenos trombóticos.

O monóxido de carbono é um gás que corresponde a cerca de 4% do fumo do cigarro e reduz significativamente a oxigenação dos tecidos.

Cianeto de hidrogénio é altamente tóxico, interferindo com a capacidade de reparação celular e com o processo cicatricial.

Oxido nítrico aumenta a absorção de nicótica a nível pulmonar e contribui para a vasoconstrição generalizada dos pequenos vasos.

É um dado adquirido, baseado na evidencia, que o tabaco afeta negativamente a cicatrização, aumentando o risco de complicações no período pós operatório imediato.
No âmbito da cirurgia plástica, sabe-se que o risco de infeção da ferida operatória e concomitante atraso na cicatrização é 2 a 3 vezes superior, num paciente que fuma.

O impacto do tabaco na cirurgia plástica cirurgia plástica traduz-se no seguinte:

– no face lift, pela necessidade de grande descolamento de pele da face, é uma cirurgia de risco se o tabaco não for suspenso. A taxa de complicações chega aos 20% comparativamente ao risco de 2 a 5% nos não fumadores;

– na abdominoplastia, que é uma das cirurgias mais relevantes na área da cirurgia estética, a taxa de complicações ronda os 45% – deiscência de sutura e necrose do tecido;

– a redução mamária é outra intervenção muito comum, sobretudo no âmbito funcional/reconstrutivo também esta associada a elevada percentagem de complicações quando o tabaco está presente: 35% a 40% de complicações (dificuldade de cicatrização, infeção) comparativamente aos 12% a 17% dos não fumadores. A correlação com o tabaco, mostrou ser dose dependente, i.e., quando maior o nível de nicotina, maior o atraso no processo cicatricial e maior o risco de infeção;

– reconstrução mamária: neste âmbito, o maior impacto do tabaco verifica-se na reconstrução com expansor/implante mamário. A reconstrução com tecidos da própria doente é menos sensível a este problema;

– microcirurgia – é mais que reconhecido o papel nefasto do tabaco nas áreas dadoras da reconstrução microcirúrgica. Felizmente, a transferência de tecido não é significativamente afetada pelo tabaco, pelo menos de forma idêntica à cicatrização da área onde foi retirado esse tecido;
– reimplantação/revascularização: a taxa de sucesso no reimplante/revascularização digital não é significativamente afetada pelos hábitos tabágicos, porem, a intolerância ao frio, alterações da sensibilidade e dor crónica têm muito mais probabilidade de ocorrer nos fumadores. A taxa de amputação tardia, na sequência destas alterações é muito elevada: 31 a 64%.

A cessação tabágica é crucial em grande parte dos procedimentos reconstrutivos e estéticos no âmbito especifico da cirurgia plástica.

Para tal, além da motivação individual, estes pacientes devem ser encorajados e acompanhados em consulta médica, podendo haver ou não, a realização de terapêutica médica complementar.

Marque a sua consulta de avaliação aqui.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Curiosidades Sobre o Preenchimento Facial

Tratamentos de Estética


OS PREENCHIMENTOS FACIAIS SÃO SEGUROS?

Sim. A maioria dos preenchimentos faciais é realizada com ácido hialurónico. Estes produtos existem no mercado sob a alçada de marcas credenciadas e certificadas quer na europa quer na américa. A qualidade e a segurança são excelentes e além disso as reações alérgicas são extremamente raras, quando acontecem devem-se a outros componentes do filler, nomeadamente ao anestésico local que algumas formulações têm.

O ácido hialurónico existe naturalmente nos seres vivos, animais e plantas e isso inclui-nos a nós. É uma macromolécula que existe nos diferentes tecidos do nosso corpo, principalmente na pele.

O MESMO TIPO DE FILLER SERVE PARA TODAS AS REGIÕES DO ROSTO E PESCOÇO?


Existem diferentes fillers de ácido hialurónico – variam na densidade, elasticidade e plasticidade, por isso é fácil perceber que um tipo de filler não se adequa a todas as regiões do rosto e pescoço da mesma forma. Alguns, mais densos, devem ser colocados em profundidade enquanto outros podem ser aplicados logo por baixo da pele. As zonas sensíveis das pálpebras e lábios requerem fillers especiais.
Quando pretendemos volume usamos fillers que tenham um efeito de lift e que confiram maior projeção à área tratada. Para as rugas finas do pescoço e face, queremos um filler que não se comporte com um volumizador, antes como um hidratante que permite estimular aquela pele tão fina e amenize as depressões das rugas.

A seleção dos diferentes tipos de filler a usar fica a cargo da sua médica, cirurgiã plástica, que lhe esclarecerá todas as dúvidas.

VOU FICAR MARCADA?

Na maioria das vezes e desde que uma cânula seja usada, a resposta é não. Obviamente que existem fatores inerentes à própria paciente (medicação com aspirina, vitamina E e outros suplementos naturais) que podem aumentar a tendência para a hemorragia. Áreas anatómicas especificas como os lábios ou as pálpebras são mais propensas a nódoas negras, mas, desde que uma cânula seja usada em vez de uma agulha, o risco é muito diminuto.

VOU FICAR MUITO INCHADA?

Há sempre algum inchaço associado ao preenchimento com fillers. Quanto maior é a quantidade usada maior é o inchaço. O tipo de filler ( densidade) também tem influencia e por fim, a própria paciente e as suas caraterísticas individuais conduzirão a uma maior ou menor tendência para o edema. É importante saber que o inchaço ou edema que surgir desaparece em 2 a 3 dias.

O PREENCHIMENTO É DOLOROSO?

É perfeitamente tolerável e a maioria das pessoas não precisa sequer de anestesia tópica, somente da ajuda do frio. Muitos dos fillers, atualmente, contêm anestésico local na sua composição o que ameniza a aplicação e inibe qualquer sensação desconfortável que possa surgir logo após a aplicação. É importante perceber se a paciente tem algum tipo de fobia as agulhas ou se fica especialmente ansiosa, pois também este especto é passível de controlo o que tornará a experiencia do preenchimento facial muito menos traumática.

E SE ME ARREPENDER DEPOIS DE TER COLOCADO O FILLER?

O preenchimento com ácido hialurónico tem essa grande vantagem: pode ser revertido se assim o entendermos. É possível, com uma injeção eliminar o preenchimento feito se for essa a vontade da paciente. Na esmagadora maioria dos casos isso não é necessário. É importante saber que o ácido hialurónico não é permanente e que o resultado se vai desvanecendo com o tempo. Algo mais imediato, como já foi dito também é possível. Fillers permanentes não nos permitem ter esta importante vantagem e segurança.

PENSO QUE PRECISO DE UM “FACELIFT”. POSSO SUBSTITUI-LO PELOS FILLERS?

Não é possível. Um “ facelift” é uma intervenção cirurgia, durante a qual os tecidos são manipulados e reposicionados. A pele em excesso é eliminada. Com os fillers, nada é removido e a magnitude do “ lift” ou da projeção que possam conferir ao rosto em nada se compara com o resultado cirúrgico. Há que chamar à atenção para o facto de, muitas pessoas, recorrerem aos fillers como substituição do “lift “e terminam com o rosto completamente alterado, “insuflado”. É importante esclarecer e impedir que o percurso seja este. Alem dos filler podemos recorrer à toxina botulínica, à microdermoabrasão, peelings e radiofrequência para melhorar a aparência, diminuir as rugas, controlar a flacidez. O resultado não é tão espantoso mas, para quem não quer a cirurgia, pode ser bastante satisfatório.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Blefaroplastia

Aparência mais Jovem


Os olhos e toda a região periorbitária circundante, tem máxima importância na beleza facial e na expressividade individual. “Um olhar vale mais que mil palavras!”

Infelizmente esta é também uma área corporal onde se evidenciam os sinais mais precoces do envelhecimento: a gravidade, exposição solar e a mimica facial fragilizam esta região e rapidamente contribuem para que se instalem rugas e se torne evidente o excesso de pele.

Os “papos” em volta dos olhos são outra característica do envelhecimento. A gordura que se acumula em pequenas bolsas distribuídas em torno do olho, pode tornar-se evidente no contorno das pálpebras. Pedindo à paciente para executar alguns movimentos (olhar para cima ou abrir a boca) a herniação (saliência) da gordura evidencia-se. É frequente encontrarmos uma história familiar ou um componente hereditário no desenvolvimento destas bolsas. Estas pequenas coleções de gordura são sensíveis à gravidade e à redistribuição dos fluidos no organismo, razão pela qual são mais pronunciadas de manhã e melhoram ao longo do dia.

A blefaroplastia é a cirurgia indicada para tratar estes problemas quando afetam as pálpebras (superior e inferior). Esta é uma intervenção cirúrgica que elimina o excesso de pele e ao mesmo tempo trata as bolsas de gordura, proporcionando um melhor contorno da pálpebra que, por um lado deixa de ficar tão pregueada ou a encobrir o olhar (como acontece por vezes com a pálpebra superior), e por outro lado corrige as saliências provocadas pelas bolsas adiposas que, apesar de mais frequentes na pálpebra inferior podem afetar ambas as pálpebras.

A cirurgia pode ser realizada sob anestesia local com ou sem sedação.

A recuperação pós-operatória é relativamente rápida e pouco dolorosa, com uma duração normal de 1 a 2 semanas. Os principais cuidados prendem-se com a moderação de esforços e cuidados posturais.
Esta é um dos procedimentos cirúrgicos associados a maior índice de satisfação por parte dos pacientes que veem rejuvenescida uma área primordial e singular do rosto.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Amamentação e implantes mamários

A realidade e os medos vistos por uma Médica Especialista


Os Estados Unidos, o Brasil e o Japão são os três países que mais recorrem a cirurgias plásticas, de acordo com o relatório divulgado em 2017 pela International Society of Aesthetic Plastic Surgey. De entre as intervenções, a que lidera é a da mamoplastia de aumento.

Portugal não está na lista dos 24 países. No entanto, segundo apurou o “Expresso” em 2017, Portugal importa 15 mil próteses mamárias, sendo que mais de 70% são para embelezamento. As mulheres entre os 20 e os 40 são as que mais recorrem a esta cirurgia, sendo que os 25 anos são a idade mais comum para esta intervenção, segundo indicam dados de clínicas especializadas avançadas ao mesmo jornal.

Há um receio comum entre as mulheres que desejam recorrer a esta cirurgia plástica, o que faz sentido tendo em conta a faixa etária em questão.

Amamentar com silicone é um problema? Poderá diminuir a produção ou alterar as características do leite? Poderá impedir a sua passagem e fazer com que o aleitamento não seja possível?

“Uma intervenção cirúrgica na mama, seja de cariz estético ou funcional, levanta frequentemente uma série de dúvidas e questões, sobretudo quando a mulher ainda pretende engravidar e eventualmente amamentar. Sendo uma das áreas anatómicas mais populares em termos cirúrgicos na atualidade, é importante esclarecer alguns mitos criados em torno da mamoplastia e do aleitamento”, diz à MAGG Ana Silva Guerra, cirurgiã plástica reconstrutiva e estética.

Nem todas as técnicas são favoráveis

“A maior parte das pessoas pensa que, pondo implantes, não pode amamentar ou que isso pode prejudicar o bebé.” Segundo a médica, as duas ideias estão erradas: “Podem amamentar perfeitamente com implantes. Não há transferência ou contacto do leite com silicone. O leite mantém as suas características independentemente do aumento mamário.”

Mas há várias formas de introduzir implantes mamários. E nem todas são ideias para amamentar. Dos quatro métodos possíveis, há, segundo a médica, dois mais comuns: a incisão inframamária, em que o implante é colocado através do limite inferior da mama, e a incisão peri-aureolar, em que se introduz o silicone pelo limite inferior da aureola — zona em torno do mamílo.

“A interferência na anatomia glandular da mama, que é comum às diversas intervenções cirúrgicas, deve ser minimizada com uma técnica atraumática e cuidadosa, que preserve a funcionalidade de glândula”, diz a médica. Portanto, destas, apenas uma garante absoluta segurança da capacidade de aleitamento materno…

Continue a ler o artigo, na Revista MAGG, AQUI.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Rinoplastia

As Queixas mais comuns do Homem e da Mulher


É importante esclarecer e reforçar que a rinoplastia deve preservar os traços nasais que são importantes para o/a paciente. Os conselhos e explicações são da médica Ana Silva Guerra, especialista em Cirurgia Plástica e Reconstrutiva.Frequentemente encarado como um procedimento puramente estético, a rinoplastia é muito mais que isso.Pode constituir um tratamento de reparação/reconstrução da anatomia nasal depois de um acidente/traumatismo; pode ser parte da reparação de uma fenda lábio palatina; pode ter um objetivo funcional ou, como acontece na maioria dos casos, pode ter um objetivo misto: aliar a boa aparência a uma boa função respiratória.

É importante esclarecer e reforçar que a rinoplastia deve preservar os traços nasais que são importantes para o/a paciente. Mudar por completo, radicalmente, a forma e tamanho do nariz não é para muitos um objetivo. O nariz está no centro do rosto e como tal é uma das regiões anatómicas que mais nos distingue e define relativamente aos outros. 

Entre as cirurgias mais comuns

Ano após ano, a rinoplastia é dos procedimentos mais realizados em todo o mundo.

As queixas mais comuns do homem prendem-se com as assimetrias ou com uma bossa nasal mais proeminente. A mulher refere preocupações relacionadas com a masculinidade das caraterísticas nasais: o facto de o nariz ser largo ou muito grande e desproporcionado face ao rosto… (Ler mais)

Continue a ler o artigo, na Sapo LifeStye, AQUI.

Para mais informações sobre a Rinoplastia na Clínica Ana Silva Guerra, Clique AQUI.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Truques para a Recuperaçao Pós-Operatória

Tudo o que precisa saber



Neste artigo, conheça os truques para a recuperação Pós-Operatória de sucesso. Se o receio são as cicatrizes, leia isto. Os conselhos e dicas são da médica Ana Silva Guerra, especialista em Cirurgia Plástica e Reconstrutiva.

O estigma que assombrava os procedimentos estéticos há muito que desapareceu. Hoje em dia é cada vez mais natural falarmos da revitalização do rosto e da pele. Os resultados são excelentes quando a experiência de um profissional qualificado se associa aos melhores materiais e ao bom senso.

Quando falamos em cirurgias, são outros os receios das pacientes: o período pós-operatório é o que mais assusta e as cicatrizes são um dos principais receios. Serão estes receios infundados? Será o pós-operatório assim tão complicado, com cicatrizes tão feias que nos levem a por tudo em causa?

Os primeiros três a cinco dias
Os primeiros três a cinco dias de um pós-operatório são sempre difíceis. Dependendo do tipo de cirurgia, pode ser mais ou menos custoso, mas a dor é passível de controlo com terapêutica.

Certas cirurgias – rinoplastia, lift cervico facial, cirurgia genital –  não estão, normalmente, associadas a dor significativa no pós-cirúrgico e requerem uma analgesia de conforto bastante leve. O inchaço e a vermelhidão das cicatrizes ainda muito jovens vai desvanecendo durante a as primeiras duas a três semanas, dependendo do tipo de cirurgia e da sua localização.

A fase mais crítica são mesmo os primeiros três a cinco dias. Esses são os dias mais difíceis, contudo, são também rapidamente esquecidos quando atingido o resultado final.

A pergunta impõe-se: que cuidados deveremos ter para encurtar ou aliviar este período?

São vários os pequenos truques eficazes, mas simples, que fazem parte de um pós-operatório bem conduzido.

Continue a ler o artigo, na Sapo LifeStye, aqui.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Amamentar deforma a mama?



Futuras mamãs babadas que querem amamentar podem respirar de alívio. Ao contrário do que diz o senso comum amamentar não causa nem aumenta a flacidez da mama.

O que acontece durante a gravidez é que as mamas aumentam muito de volume como resultado do desenvolvimento das glândulas que irão produzir o leite (independentemente da vontade da mulher de amamentar ou não). Para albergar o “novo” volume da mama a pele é obrigada a esticar, a distender-se e, quando tudo retorna ao normal dentro da mama, é expectável que a pele se apresente flácida. Desta forma se compreende que a gravidez sim, mas não a amamentação, influi na flacidez dos seios. O número de gestações, por conseguinte, vai afectar a flacidez mamária*.

Outro aspecto importante é a duração da amamentação e a sua influência na mama. De igual modo, e como o aumento do volume glandular ocorre como consequência da gravidez, é mais importante o número de gestações do que a duração da amamentação.

É comum haver referência a uma mama “mais preguiçosa que ficou menos estragada”. De facto, se o corpo preparou melhor uma das mamas para amamentar, aumentando-lhe o seu componente glandular é normal, que essa mama privilegiada venha a experimentar mais amplas variações de volume e que se torne mais pendente (ou ptótica) e mais flácida.

Os benefícios da amamentação são reconhecidos globalmente e, para além de não causar deformação nos seios, amamentar ajuda a recuperar o peso ganho na gestação. Se amamentar exclusivamente o bebe durante os primeiros 6 meses a mulher perde, em média, cerca de 500g por semana*. Adicionalmente, os benéficos alargam-se à redução da probabilidade de desenvolver cancro da mama e do ovário no futuro.

*
Referências
Rinker B1, Veneracion M, Walsh CP. (2008). The effect of breastfeeding on breast aesthetics. Aesthet Surg J. , 28(5):534-537.
Thibaudeau S, Sinno H, et al. (2010).The effects of breast reduction on successful breastfeeding: A systematic review. J Plast Reconstr Aesthet Surg . 63: 1688-1693.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

NANOPORE

A prevenção dos danos do Verão


O Nanopore é um tratamento de microneedling que, através da punção de microagulhas, estimula a pele e permite melhorar cicatrizes, manchas, estrias e até rugas. No combate à queda de cabelo também tem provas dadas.

Este dispositivo em forma de lápis, tem entre 5 a 9 microagulhas na ponta que alcançam velocidades entre os 50 a 150 impulsos por segundo. Esta velocidade torna o tratamento praticamente indolor e, dependendo da sensibilidade da pele da paciente, é possível graduar a profundidade a que as agulhas penetram nas camadas da pele. O tempo de recuperação é de horas. Geralmente, duas horas depois do tratamento já não há sinais de estimulação mecânica.

Mas não é somente o estímulo mecânico que carateriza este tratamento. Um cocktail de substancias especificas com diferentes finalidades são utilizadas em simultâneo para impregnar esses microporos causados pela punção. Assim o estimulo do colagénio fica fortificado, as rugas e as linhas de expressão são trabalhadas com complexos reafirmantes ,e as manchas, com moléculas que atuam diretamente no metabolismo da melanina. Estes substancias são preparadas segundo os princípios da nanotecnologia, isto é, com propriedades especificas que asseguram o seu contacto com as células a nível molecular. Os orifícios da micropunção facilitam a penetração destas substancias na profundidade correta.

Os resultados são observados desde o primeiro tratamento, contudo, a evolução é gradual e cumulativa, isto é, os resultados são gradualmente melhores e potenciam-se. Os tratamentos devem acontecer com intervalos de 3 a 4 semanas.

O mecanismo de ação é composto por duas fases:

1
– incremento da penetração transdermica, através das microperfurações que abrem o caminho aos princípios ativos aplicados

2
– estimula a própria pele, aumentando a produção de colagénio na derme, a regeneração e criação de novos vasos e por fim, intensifica os mecanismos de autorreparação da pele.

A precisão da penetração das agulhas é maxima, a epiderme (camada mais superificial da pele) sofre um trauma mínimo e daí a rápida recuperação.

Os benefícios deste tratamento são transversais a todos os tipos de pele – jovens, envelhecidas, oleosas ou secas. Este é um tratamento indicado para  manchas e marcas de acne que se tornam menos evidentes e podem mesmo desaparecer. A flacidez em áreas localizadas na face e mãos tem uma evolução bastante positiva. Por fim as estrias, cicatrizes que são tão difíceis de tratar, também melhoram com o nanopore.

Leia também o artigo: Melhorar a qualidade da pele: Nanopore Turbo-Roller
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Esculpir o Rosto com Fillers

As olheiras


As olheiras são um tema universal entre a população feminina, sobretudo depois dos 40!Falta de sono, stress do dia a dia, a genética e o passar do tempo são as causas major deste problema.

Soluções? Poucas e não há nenhuma totalmente eficaz.

A pele da pálpebra inferior vai ficando mais fina, mais frágil, deixando transparecer o contorno muscular que lhe está subjacente. É o musculo orbicular, responsável pelo encerramento do olho que se torna cada vez mais percetível e torna aquela região mais escura.

Não há forma de melhorar a tonalidade do sulco que se inicia no canto interno do olho e segue até à bochecha, com tratamentos não invasivos.

O que aconselhamos é um tipo de preenchimento específico com Restylane Lift. O objetivo é dar volume ao sulco, discretamente, em pequena quantidade, para que o declive entre a pálpebra e a bochecha deixa de existir.  Aconselhamos a utilização de um agente com propriedades vasoconstritoras em associação ao preenchimento com o filler.

É indolor, os resultados são imediatos e contam com uma longa duração (normalmente superior a um ano). O segredo é, uma vez mais, não exagerar. Pouco volume de cada vez e um retoque, se necessário às três semanas pós tratamento.

Para os casos mais dramáticos, que não melhoram significativamente com o tratamento combinado propomos uma terapêutica mais interventiva. Normalmente nestes casos, o problema é a tonalidade muito escura da olheira e nada que possamos fazer, a titulo não invasivo, vai melhorar radicalmente este aspeto.

O autoenxerto de gordura, sob a forma de um “nanoenxerto” é a melhor solução. Ao colocarmos uma fina camada de gordura entre a pele e o músculo, estamos a diminuir a transparência dessa pele e a “esconder” o musculo por baixo.

Uma pequena quantidade de gordura é suficiente. Todo o transplante de gordura está associado à absorção ou perda de uma percentagem da gordura aplicada. Dependo das caraterísticas individuais de cada um, do curso do processo cicatricial, dos hábitos tabágicos, a percentagem pode ser tão elevada como os 50%. Em condições ideiais perde-se menos de 20% da gordura transplantada.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Preservar o triângulo da juventude no rosto com fillers!

O preenchimento facial com ácido hialurónico


O preenchimento facial com ácido hialurónico é uma abordagem não invasiva, muito popular, que ajuda a preservar e até mesmo restaurar as linhas joviais do rosto!


É importante relembrar que o pretendido não é “transformar” o rosto, alargá-lo ou “insuflá-lo”.

Chamemos-lhe um preenchimento “anatómico”, isto é, repor onde faz falta, restituir o que se perdeu, projetar o que caiu… Tudo isto de forma gradual, um pouco de cada vez.
Um rosto jovem tem uma forma de triângulo de base superior. Um rosto harmonioso é mais alargado na região das bochechas, logo por baixo dos olhos e estreita-se em direção ao queixo. Este triângulo acaba por se inverter à medida que os anos avançam.

Com os fillers certos, é possível atrasar esta mudança e contrariar a perda de volume e a queda da pele.
O preenchimento facial “anatómico” obriga a uma análise facial global, uma abordagem integrada que não se pode focar exclusivamente na ruga, no sulco. Por exemplo, se queremos tratar o sulco que se estende do nariz à boca, no limite interno da bochecha, temos de o fazer em dois sítios: no sulco, onde, com o filler procuramos amenizar a sua profundidade e na bochecha, mesmo onde se projeta o esqueleto ósseo malar, para projetar essa zona, e com um feito lift, diminuir a quantidade de pele que cai e marca o sulco.

Obviamente que o sulco (nasolabial) tem de ser trabalhado, mas é na zona de maior projeção do rosto, onde o triângulo tem a “base” que devemos começar. A harmonia começa aqui. Restaurar a anatomia perdida.

E há que explicar também que os fillers têm limites. Isto é, não podemos preencher o rosto indefinidamente se pretendemos um aspeto natural e proporcionado. Por outro lado, necessitamos que a pele tenha condições mínimas de elasticidade para que o preenchimento possa repercutir-se numa elevação, num movimento de “lift”.

Aquela pele muito danificada pelo sol ou pelo tabaco, que já não distende por ter perdido a elasticidade, não vai responder muito bem aos fillers.

A hidratação é um aspeto muito importante associado ao ácido hialurónico. Como recrutador de água, esta macromolécula permite hidratar a pele de imediato.

Um efeito tardio que lhe esta associado também, é estimulação de colagénio, induzida pela inflamação subclínica que é provocada pela sua presença nos tecidos.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Aumento Mamário

Antes & Depois


O que têm em comum estas mulheres?
Saudáveis, enérgicas, com uma vida profissional ativa, estas mulheres são bem sucedidas e determinadas. Todas, numa ou outra fase da vida decidiram que estava na altura de uma nova mudança!

Faltava-lhes algo. Em certos contextos, em certas fases, a autoconfiança estava fragilizada e a autoestima caia abruptamente. Para umas, um formato mais discreto, para outras, uma imagem mais exuberante – todas quiseram a mudança – melhorar a silhueta, harmonizar o corpo e tudo à custa de um aumento mamário!

Fará assim tanta diferença? Valerá os riscos e os receios?
Deram este passo receosas e com prudência. No fim, depois da intervenção e passadas algumas semanas de pós-operatório, o resultado superou todas as expectativas e afinal, nem tinha custado assim tanto…

A melhoria na auto confiança e na autoestima, teve tradução imediata na realidade de cada uma, nas mais variadas vertentes da vida. Tudo estava diferente. Estava melhor!
“Porque esperei eu tanto” ; “Ainda bem que dei este passo” ; “Devia ter sido mais cedo”

A mamoplastia de aumento continua a ser um dos procedimentos cirúrgicos, no âmbito da cirurgia estética, associado a maior índice de satisfação e gratificação para pacientes e cirurgiões.
Quase sem segredos, com riscos e complicações bem controlados esta é uma intervenção rápida, segura e pode ser feita em ambulatório.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Gigantomastia e Redução Mamária



Embora a maioria das mulheres recorra à cirurgia de aumento mamário, há muitas mulheres que reduzem o volume das mamas por razões de saúde e até psicológicas. Neste artigo, a especialista em cirurgia plástica e reconstrutiva Ana Silva Guerra responde às principais dúvidas sobre redução mamária.

Quais os motivos que levam a mulher a reduzir a mama?
A mulher procura reduzir o tamanho mamário por razões de ordem física, estética e psicológica. Mama penduladas, de grande volume são um contributo importante para a sintomas diversos, do foro osteoarticular, cutâneo e neurológico: cervicalgias e dorsalgias (dor na coluna), intertrigo da região submamária (pele avermelhada, macerada e por vezes infeção fúngica associada), prega do sutiã muito vincada e uma incidência aumentada de síndrome do canal cárpico. A limitação na prática de exercício físico, constrangimento social e dificuldade na escolha de indumentárias são outros aspetos de relevo, descritos por estas doentes.

Nem todas as reduções mamárias têm as mesmas cicatrizes. Como são as cicatrizes?


Para ler o artigo integral, visite: http://www.atlasdasaude.pt/publico/content/gigantomastia-e-reducao-mamaria
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Reconstrução Mamária

O envolvimento da Cirurgia Plástica na Doença Oncológica


A reconstrução mamária envolve uma variedade de procedimentos cirúrgicos que têm por finalidade restaurar o volume, a forma, o contorno da mama após mastectomia ou cirurgia conservadora (tumorectomia e radioterapia). Fatores como a anatomia individual, os objetivos estéticos e a necessidade de procedimentos adicionais, tais como quimioterapia e/ou radioterapia, determinam a escolha da opção reconstrutiva.O envolvimento da Cirurgia Plástica no plano de tratamento da paciente é fundamental pois o tipo de cirurgia oncológica proposta para o tratamento afeta significativamente as escolhas e os resultados da reconstrução mamária.Reconstrução pós mastectomia

Reconstrução com recurso a implante
Neste tipo de intervenção o material usado para recuperar a forma e volume mamários é externo à paciente, isto é, não provém de nenhuma outra área do seu corpo. Assim, o implante (expansor de tecido) é colocado no local onde estava a mama, e recorrendo a uma série de injeções (que são na maioria dos casos, indolores) de soro, este vai sendo preenchido até que as características mamárias pretendidas sejam alcançadas. O tecido que ficou, depois de removida a mama é expandido (de forma semelhante ao que acontece na gravidez, mas neste caso é mais rápido) e “preparado” para depois vir a alojar um implante definitivo. Este processo reconstrutivo pode demorar um ano para completar.

Reconstrução com recurso a “tecido” da própria doente
Este procedimento refere-se à “utilização” de pele e gordura da própria doente, proveniente, na maioria dos casos,  da sua região abdominal (o excesso que ficou depois da gravidez, por exemplo) para recuperar a forma, o volume e a projeção da mama. A utilização do músculo da parede abdominal também pode acontecer, porém, tem indicações específicas e a preocupação é sempre, preservar o maximo possível o tecido muscular.

Por vezes, quando não é possível, por motivos clínicos, ou pela vontade da doente, o recrutamento do tecido abdominal, pode recorrer-se a outro tecido muscular localizado nas costas da doente. Nestes casos, a reconstrução faz-se à custa do músculo grande dorsal e, como este é um músculo pouco volumoso, é associado um implante mamário para que as características da “nova mama” sejam mais realistas.

Para continuar a ler, aceda à versão integral do artigo no site oficial do Atlas da Saúde: http://www.atlasdasaude.pt/publico/content/reconstrucao-mamaria-o-envolvimento-da-cirurgia-plastica-na-doenca-oncologica
Blog Dr. Ana Silva Guerra

“Daddy Do-Over”

A Cirurgia que está a conquistar cada vez mais Homens


O sexo masculino está cada vez mais informado com os cuidados a ter com a saúde e com o corpo. Não deixa de ser por isso normal que aumentem as cirurgias “Daddy Do-Over”. Saiba o que é com as explicações da médica Ana Silva Guerra, especialista em cirurgia plástica e medicina reconstrutiva.

A pressão social é cada vez mais significativa e até no mercado de trabalho a boa aparência e o porte atlético traz vantagens. É natural que a idade traga alterações na distribuição da gordura corporal, que se concentra cada vez mais no tronco, ao nível da cintura.

Por este motivo a lipoaspiração e a lipoescultura tem vindo a crescer, sendo um dos procedimentos estéticos principais do universo masculino.

Designado por “Daddy Do-Over”, a escultura do corpo através da lipoaspiração tem ganho uma popularidade crescente, pois são cada vez mais os pais na casa dos 40 anos e até mais, que, dedicados à família e ao trabalho procuram manter a boa forma e lutam contra os quilos “a mais” que se acumulam no abdómen.

Apesar do cuidado com a alimentação e a sensibilização crescente para prática de exercício físico, não é fácil alcançar o resultado pretendido. A gordura que é resistente ao treino desportivo é geralmente a gordura subcutânea, que se encontra entre a pele e a parede muscular, e é precisamente, essa camada que a lipoaspiração vai trabalhar.

Aliar a cirurgia ao desporto e aos cuidados básicos com a saúde é a atitude mais inteligente e a única que promove resultados duradouros e satisfatórios.

A versatilidade da técnica, quando bem aplicada, permite obter resultados muito satisfatórios.

Em casos específicos, pode haver lugar para a lipoaspiração de Alta Definição, quando o resultado pretendido passa pela definição da parede abdominal (os apetecíveis “sixpack”).

Pós-operatório

A recuperação do procedimento não é muito demorada, mas exige cuidados especiais, sobretudo na primeira etapa do pós-operatório.

O universo masculino está a mudar: há cada vez uma maior preocupação com a saúde, com a adoção de hábitos saudáveis e com a aparência.

A competitividade do mundo laboral é outro aspeto cada vez mais relevante. A lipoescultura é uma arma terapêutica eficaz, segura e com resultados muito gratificantes e determinantes na vida dos pacientes.

As explicações são da médica Ana Silva Guerra, especialista em Cirurgia Plástica e Medicina Reconstrutiva.

Conheça aqui os tratamentos que poderá fazer na Clínica Ana Silva Guerra  Na vanguarda da medicina estética, com o conhecimento e a experiência da cirurgia plástica!

Blog Dr. Ana Silva Guerra

Recuperar o corpo após perda massiva de peso!


A perda massiva de peso é cada vez mais uma realidade. São cada vez mais os casos que nos chegam de doentes que, de uma ou outra forma, perderam quantidades significativas de quilos!O que fica depois do esforço é uma mente renovada, muito mais lúcida e determinada do que antes. Novos hábitos, novas rotinas e uma vida mais saudável. Voltar ao que era está fora de questão! Há que remodelar o que ficou, pois agora, corpo e mente não combinam, definitivamente!

O processo reconstrutivo consiste na remoção do tecido extra, remanescente, que ficou depois da perda de volume. Aquando do ganho de peso há uma expansão da pele e do tecido celular subcutâneo. Quando o volume se perde, o que fica é o ‘envelope’, flácido e caído.

A reconstrução faz-se por etapas. Não podemos abordar todas as áreas corporais de uma só vez, por questões de segurança do doente e da otimização de resultados.

Lower body lift’ – remoção de uma ‘faixa’ de tecido circunferencial, na porção inferior do tronco, ao longo de todo o abdómen e dorso.

‘Upper bodylift’ – remoção de tecido em excesso circunferencialmente, em toda a extensão do tórax até ao dorso, abrangendo também os braços. Reduzir o excesso de tecido pêndulo nos braços é uma vitória para muitos pacientes. Se não o fizerem, o estigma acompanhá-los-á e isso incomoda profundamente. Reestruturar a mama, remover o excesso de pele, restabelecendo a posição normal do peito que deixa de estar caído e vazio.

‘Cruroplastia’ – a intervenção que aborda as coxas. Os membros inferiores ficam deformados pelo excesso de tecido e gordura que ainda remanesce nas pregas. A cicatriz fica ao longo da face interna da coxa e na virilha.

Estas intervenções vão muito além da cirurgia estética.

Na maioria destes casos, a cirurgia reconstrutiva vai permitir transformar vidas.

Estes pacientes perderam muito peso e, só isso, já é uma grande mudança. Porém, falta percorrer o ‘resto’ do caminho para que voltem a reencontrar-se consigo próprios.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Os cuidados estéticos de volta ao rosto, neste Inverno

Tratamentos de Estética


Preparar a quadra festiva ou simplesmente recuperar dos estragos feitos no verão, são estes e muitos outros os motivos que a fazem querer experimentar os diferentes tratamentos estéticos que farão maravilhas pela sua pele e pelo seu rosto no geral!

Fugir das rugas!

Este é um dos tratamentos estéticos mais requisitados…

Tratar as rugas de expressão da testa, rugas entre as sobrancelhas e no canto externo dos olhos – os famosos “pés de galinha”. A toxina botúlica é a solução para maioria dos casos. A aplicação realiza-se com agulhas muito finas, diretamente no músculo. O efeito é máximo às duas semanas e assim se mantem por 3 a 4 meses, dependendo da gravidade das rugas, da expressividade de cada um entre outros fatores.

Volume perdido e falta de hidratação!

Para este efeito recorremos ao ácido hialurónico: uma revolução na área da medicina estética! É perfeitamente biocompatível, uma vez que já existe no nosso corpo. Perfeitamente segura, esta molécula é essencial à hidratação da nossa pele, confere-lhe tónus e firmeza porque também potencia a síntese de colagénio. Como recrutadora de água, ajuda a esbater as rugas (profundas e superficiais) e os resultados são espantosos, seguros e naturais!

Esquecer as manchas, as borbulhas e os poros dilatados!

O peeling químico é o tratamento de eleição no cuidado superficial da pele. Esta modalidade da medicina estética permite-nos alargar a nossa intervenção às diferentes condições da pele: manchas, rugas finas, flacidez, acne, oleosidade e poros dilatados. Um peeling pode fazer a diferença no tratamento de estrias! E os resultados de um peeling bem selecionado numa pálpebra inferior flácida pode prevenir uma cirurgia!

Conheça aqui os tratamentos que poderá fazer na Clínica Ana Silva Guerra  Na vanguarda da medicina estética, com o conhecimento e a experiência da cirurgia plástica!

Preservar a naturalidade e a harmonia no rosto sem descurar o tratamento do que é importante para se sentir bem!
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Lipoaspiração = Perda de peso? Não!

Intervenções Cirúrgicas ao Corpo


As pessoas que procuram a lipoaspiração como uma forma permanente de perder peso devem compreender que esta não é a melhor solução.

Perda de peso e Lipoaspiração não são sinónimos.


A lipoaspiração permite o contorno corporal através da remoção da gordura localizada. Contudo, não é a solução ideal quando se procura não aumentar o peso.

Se houver aumento de peso, as células residuais das áreas lipoaspiradas e sobretudo das regiões que não o foram, vão aumentar de tamanho.

Uma alimentação cuidada, a prática regular de exercício físico e o contorno corporal das áreas com gordura localizada conduzem aos melhores resultados.

Para mais informações sobre Lipoaspiração recomendo a consulta da informação relativa ao tratamento Lipoaspiração e Lipoescultura.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Melhorar a qualidade da Pele

Nanopore Turbo-Roller


O Nanopore Turbo-Roller é um tratamento revolucionário que permite, através do “microneedling” (isto é múltiplas micropunções) transportar os princípios ativos de diversas substâncias às camadas mais profundas da pele, sem dor e sem processo de cicatrização anormal associado.

É um tratamento que tem por objetivo melhorar a qualidade da pele. As micropunções geram microlesões na pele e “obrigam-na” a regenerar-se! Assim, cada microorifício vai ser preenchido com tecido “novo” e isto significa o aumento da produção de colagénio, uma das moléculas mais importantes da pele, que assegura a sua sustentação, a sua firmeza.

Ao atingir as diferentes camadas da pele, garante o “resurfacing” da mesma, isto é o combate ao foto envelhecimento. Como induz a reparação do tecido e a regeneração celular é especialmente recomendado para correção de cicatrizes e estrias, combatendo também a flacidez e as rugas finas, principalmente no rosto.

Permite revitalizar e corrigir imperfeições, manchas e cicatrizes, tão difíceis de combater com a maioria dos métodos tradicionais.

Outra importante vantagem que está associada ao microneedling ou micropunção com o Nanopore é potenciar os efeitos de substâncias ativas tais como substâncias reafirmantes, corretoras de manchas, peelings, retinol, entre outras. A abertura de pequenos “microcanais” nas camadas da pele permitem que os efeitos de diferentes substâncias ativas penetrem em profundidade, contribuindo para acelerar e aumentar o seu efeito na pele.

Os resultados são visíveis em poucas sessões e como não há lesão cutânea visível, não se associa a limitação na vida quotidiana, nomeadamente à necessidade de interrupção laboral.

Indicações:

  • - Potenciar a síntese de colagénio;
  • - Rejuvenescimento de face, pescoço, orelha e mãos;
  • - Acne e Cicatrizes de Acne;
  • - Cicatrizes (melhorar o aspecto);
  • - Rugas e linhas de expressão;
  • - Flacidez;
  • - Poros abertos;
  • - Adjuvante no tratamento de manchas.
Quando não deve ser usado:
  • - Antecedentes de infeções cutâneas (herpes simplex);
  • - Acne ativo;
  • - Presença de verrugas, lesões pré-malignas ou malignas da pele;
  • - Terapêutica anticoagulante em curso, altas doses de corticoterapia, retinoides orais;
  • - Imunossupressão (quimioterapia, radioterapia, diabetes);
  • - Gravidez, aleitamento.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Cuidar da Pele

Tratamento de “choque” depois do verão!


As agressões externas durante o verão são múltiplas (calor, sol, desidratação, cloro das piscinas, o vento…) e a pele precisa de ser revigorada!

A face, sendo uma das áreas mais expostas exige particular atenção!

Tratamento triplo combinado:


  • - Hidratação em profundidade
    A aplicação intradérmica (nas camadas mais profundas da pele) de ácido hialurónico.
  • - Correção das finas rugas que entretanto se formaram em redor dos olhos e lábios
    Através do “microneedling”, uma técnica em permanente evolução, com resultados comprovados e sem necessidade de período de recuperação.
  • - Eliminar células mortas e recuperar as camadas mais superficiais da pele
    Com a aplicação de um peeling superficial que melhora a luminosidade, a firmeza e ajuda a corrigir as manchas que teimam em aparecer.
Os três tratamentos podem ser realizados em simultâneo pois tem objectivos diferentes que se complementam.

Todas as idades são candidatas. Nas idades mais jovens (30 anos) este é um excelente tratamento preventivo, que vai ajudar a retardar os sinais mais precoces do envelhecimento.

São procedimentos não invasivos e por isso não implicam prejuízo da vida profissional e social, proporcionando resultados duradouros que se tornam evidentes após 3 a 5 semanas.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Sudorese Excessiva

A toxina botulínica tem um papel na Sudorese excessiva?



A hipersudorese, sudorese excessiva ou hiperhidrose primária caracteriza-se por uma produção excessiva de suor e resulta de uma hiperactividade do Sistema Nervoso Simpático ao nível da placa neuromuscular das glândulas sudoríparas.

Afecta cerca de 1% da população e pode ocorrer sob a forma localizada ou generalizada podendo afectar as axilas, palmas das mãos, plantas dos pés e a face.

De igual incidência em ambos os sexos, tem geralmente início na infância, com agravamento na puberdade, sendo a região axilar mais intensamente afectada no sexo feminino.

É uma condição limitativa com forte impacto nas várias vertentes da vida quotidiana.

As opções terapêuticas dividem-se em dois grupos:

Médicas: cloreto de alumínio tópico nos desodorizantes, anticolinérgicos orais, iontoforese e a aplicação de Toxina Botulínica.

Cirúrgicas: simpatectomia torácica endoscópica.

A aplicação da Toxina Botulínica é um dos tratamentos mais utilizados para esta patologia. Para além de ser uma terapêutica eficaz, a sua aplicação não está associada a complicações ou sequelas de relevo e pode ser feita em ambulatório.

À semelhança de outros procedimentos em que a Toxina Botulínica é utilizada, a duração do tratamento é limitada, contudo evidências científicas recentes referem o aumento da durabilidade do tratamento com o progressivo número de aplicações.

O grau de satisfação dos pacientes é elevado e ao tratamento associa-se uma melhoria radical na qualidade de vida.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

As olheiras

Saiba mais sobre as olheiras


O que são?

São áreas de pigmentação mais escura na região periorbitária. Afetam mais frequentemente as mulheres e envolvem de um modo geral, os dois olhos.

São, em regra mais alargadas na pálpebra inferior, podendo, nos casos mais graves abranger ambas as pálpebras até ao rebordo orbitário onde se localizam as sobrancelhas, e à região malar e temporal onde se encontram as maças do rosto e o limite lateral da face.
A idade de aparecimento ronda os 16-25 anos. Há uma tendência familiar reconhecida e em certos grupos étnicos este problema é mais acentuado.

As causas?

Ainda não está bem compreendida a causa das olheiras. Excesso de pigmento cutâneo ou fragilidade vascular dos pequenos vasos da região palpebral são as principais hipóteses etiológicas. Existem, contudo, múltiplos os factores que parecem contribuir para o aparecimento desta alteração, que não sendo considerada patológica é, com certeza inestética e causadora de grande perturbação para muitas pacientes.

A genética (há uma clara tendência familiar), os problemas alérgicos (que desencadeiam uma hiperpigmentação inflamatória reativa), a anemia, o stress, a vida agitada e má higiene do sono, a flacidez e fragilidade cutâneas decorrentes do envelhecimentos são os principais factores contribuintes. Recentemente, foi observado que nas pacientes com falta de visão e que não usam meios de correção (óculos ou lentes de contacto) este problema pode ser mais acentuado, graças ao esforço acrescido dos músculos da região periorbitária.

Tratamento?

Diversos tratamentos foram propostos, com maior ou menor sucesso. O tratamento deve ser individualizado para cada paciente, uma vez que é frequente a combinação de opções terapêuticas. Merecem especial destaque, o tratamento não cirúrgico com ácido hialurónico e o tratamento mais invasivo, cirúrgico, que corresponde ao autoenxerto de gordura sob a forma de micro e/ou nanoenxerto. Desde que corretamente aplicados estes tratamentos conferem uma melhoria da qualidade da pele localmente, fortalecendo-a e melhorando a hiperpigmentação.
Blog Dr. Ana Silva Guerra

Assimetria Mamária Durante a Adolescência


O desenvolvimento mamário é um marco importante no desenvolvimento da jovem adolescente. Representa, juntamente com outras alterações, a transição para a idade adulta.

A mama inicia o seu “crescimento” entre os 8 e os 13 anos normalmente, sendo a média os 11 anos e meio. Durante 2 a 4 anos, continua a ocorrer crescimento e as mamas vão adquirindo a sua forma definitiva. Nas jovens caucasianas o inicio do desenvolvimento mamário é ligeiramente mais tardio, comparativamente às jovens afroamericanas (10 anos vs 8 anos).

“As mamas nunca são iguais” é costume dizer-se, e de facto, mesmo durante o seu desenvolvimento, poderá haver diferenças. O crescimento mais rápido de uma relativamente à outra pode condicionar alterações na forma, assimetria de tamanho e posição, quer da mama quer da aréola e do mamilo. A assimetria geralmente atenua-se com o tempo, podendo mesmo desaparecer.

Na maioria dos casos estas situações são fisiológicas. Isto é, não tem uma causa patológica na sua génese. Porém, numa minoria dos casos é possível identificar uma razão que justifique as alterações anatómicas. Nas crianças e adolescentes, ao contrario dos adultos, as causas malignas são raras.
Assimetria mamária fisiológica – assimetria evidente, exame clínico normal, exames de imagem sem alterações. Perfil endocrinológico e desenvolvimento sexual dentro da normalidade.

Assimetria mamária congénita – o Síndrome de Poland responde pela maioria destes casos e associa-se a um hipodesenvolvimento mamário no lado afetado, com presença apenas de parte do músculo peitoral do lado afetado. O músculo peitoral é o músculo que se encontra logo abaixo por causa.
Assimetria relacionada com doenças.

Assimetria mamária iatrogénica – assimetria decorrente das cirurgias prévias (biópsias)
Outras causas (ex: Escoliose).